Com o aumento da popularidade dos ETFs entre investidores de todas as faixas etárias, a indexação direta busca sobressair-se.

Paráfrase: No universo das histórias bem-sucedidas na gestão de patrimônio, é desafiador encontrar uma situação mais favorável do que a dos ETFs.

Ao discutir a indústria de serviços financeiros, é sempre arriscado presumir que não haverá novidades em breve. Nos últimos anos, o ETF tem se destacado e parece ter vindo para ficar, demonstrando seu poder de permanência.

A mais recente pesquisa da Schwab Asset Management confirma e reforça a ideia de que os ETFs estão se tornando cada vez mais populares entre investidores de todas as idades.

O relatório “ETFs e Além” é resultado de estudos realizados ao longo de mais de dez anos sobre as tendências dos ETFs, demonstrando o aumento da sua popularidade. De acordo com a pesquisa, 80% dos investidores que já utilizam ETFs os consideram como a opção preferencial, representando um crescimento de 70% em comparação com dois anos atrás.

Os fundos de índice (ETFs) representam atualmente um terço das carteiras de investidores em ETFs, em comparação com 27% há cinco anos. Para os próximos cinco anos, os investidores em ETFs esperam aumentar essa proporção para 40% de suas carteiras. Adicionalmente, quase todos os investidores em ETFs têm a intenção de adquirir mais ETFs nos próximos dois anos, assim como quase metade dos investidores que ainda não têm esses fundos em suas carteiras.

Na opinião de Eric Balchunas, analista sênior de ETFs da Bloomberg Intelligence, os ETFs são o método de investimento mais promissor para o futuro.

Balchunas se sente encorajada pelos dados que indicam que investidores mais jovens estão adotando os ETFs.

Ele comentou que isso é promissor para o que está por vir.

Vai gostar:   O Bancário Bitcoin Miner Core apresentou seu plano de reestruturação, com o objetivo de garantir sua sobrevivência com êxito

Dividindo os investidores da ETF por faixa etária, de acordo com a pesquisa da Schwab, observa-se que 41% dos millennials possuem investimentos em ETFs, em comparação com 33% dos investidores da Geração X e 19% dos baby boomers.

Os motivos principais pelos quais os investidores se interessam pelos ETFs são os custos reduzidos, a praticidade e a possibilidade de personalizar os investimentos.

Segundo David Botset, chefe de gestão de produtos e inovação da Schwab Asset Management, ao analisar as informações, percebe-se que o custo é a principal razão pela qual os investidores optam por usar ETFs.

“Além disso, está relacionado à exposição ao índice subjacente”, afirmou Botset. “Estudos recentes estão indicando a importância do custo.”

A investigação realizada para o 11º relatório anual de ETF da Schwab envolveu a participação de 2.000 investidores com idades entre 25 e 75 anos, que possuíam pelo menos US$ 25.000 em ativos para investir. Metade dos entrevistados havia realizado operações com ETF nos últimos dois anos, enquanto a outra metade não tinha experiência nesse tipo de investimento.

Uma das razões que motivou a Botset a observar o uso de ETFs pelos investidores é a forma como estes lidaram nos últimos anos com situações como alta volatilidade no mercado, inflação, aumento das taxas de juros e turbulências geopolíticas.

Ele mencionou que aproveitaram a instabilidade nos mercados para obter informações sobre investidores. De acordo com os resultados da pesquisa, notaram que muitos investidores estão utilizando ETFs de forma estratégica, independentemente da volatilidade do mercado.

Em resumo, Botset afirmou que os esforços contínuos da indústria de ETF para instruir os investidores sobre como evitar reações impulsivas e estratégias arriscadas parecem estar funcionando.

Vai gostar:   A desvalorização dos ativos pode compensar as perdas do primeiro trimestre da Robinhood, mesmo que a renda de interesses aumente.

Nate Geraci, presidente da The ETF Store, destacou que 41% dos investidores que não utilizam ETFs têm a intenção de adquirir um ETF nos próximos dois anos, considerando esse dado como significativo.

“É um número considerável,” afirmou ele. “Quando se soma a isso o forte interesse dos investidores mais jovens, fica evidente que o futuro dos ETFs é bastante promissor.”

Mesmo com a perspectiva promissora para os ETFs, que estão disponíveis em uma ampla variedade de tipos e estilos, e com os gestores de fundos mútuos buscando competir ao reduzir gradualmente as taxas, sempre há uma nova ameaça surgindo no setor de serviços financeiros.

Isso nos leva a considerar a indexação direta, que tem sido promovida pela indústria de gestão de ativos como uma grande oportunidade de negócio para consultores financeiros e seus clientes.

O relatório da Schwab menciona que a personalização proporcionada pela indexação direta é considerada como “a próxima fronteira”, e indica que 46% dos investidores de ETF têm interesse em saber mais sobre o assunto.

Geraci mencionou que o interesse na indexação direta está crescendo, apesar de os ativos ainda não terem alcançado totalmente as expectativas. Ele destacou que a indexação direta enfrenta desafios em relação a três tendências principais observadas na última década, que permanecem fortes: a transição da gestão ativa para a passiva, a busca por investimentos de baixo custo e a preferência por simplicidade em vez de complexidade.

Balchunas, que se considera a pessoa mais pessimista em sua equipe em relação à indexação direta, indica que Schwab está seguindo uma abordagem questionável nesse aspecto.

Ele expressou sua desconfiança em relação à indexação direta, considerando-a superestimada. Ele notou o interesse da indústria em seu sucesso devido ao aumento de lucros, mas ele prefere os ETFs por sua eficiência, custo acessível e exposição total ao mercado sem atritos.

Vai gostar:   Elementos que devem ser observados se você está colocando dinheiro no mercado atualmente.