Um estudo da TRM Labs descobriu que o Bitcoin continua a ser amplamente usado em crimes criptográficos, com sua dominação aumentando para 19%

Imagem: karvanth/Pexels

O Bitcoin (BTC) tem perdido popularidade entre os criminosos criptográficos, e foi responsável por apenas 19% dos delitos criptográficos em 2022, de acordo com um recente relatório.

No documento, a TRM Labs, uma corporação de inteligência blockchain, constatou que os hackers estão aproveitando diferentes blockchains para concluir suas operações, como Ethereum, Tron e BNB Chain (antigamente conhecida como Binance Chain) cada vez mais comumente em detrimento ao Bitcoin.

O relatório argumentou que a era multi-chain teve um grande efeito na alocação global do volume de criptografia ilegal.

Além de empregar outras blockchains, muitos cibercriminosos demonstraram um interesse por diversas formas de pagamento em moeda tradicional para movimentar seu dinheiro de maneiras que não sejam visíveis.

Inadequado, moeda e ainda métodos de financiamento mais antigos, como hawala (transferenciando dinheiro sem deslocá-lo fisicamente) ainda são os meios padrão através dos quais a prática ilegal é financiada e seus proventos são desviados, afirmou o relatório.

Ao mesmo tempo, práticas como “chain-hopping”, onde os delinquentes transferirão seus lucros entre várias blockchains para torná-los menos identificáveis, tornam-se cada vez mais frequentes entre os criminosos cibernéticos para lavar seu dinheiro.

A diminuição da utilização do Bitcoin para cometimento de crimes criptográficos foi extraordinária, caindo de 97% dos casos reportados em 2016 para apenas 19% no ano seguinte.

“A transição de Bitcoin para outras blockchains e táticas destaca a relevância de nossa iniciativa de construir o maior retrato possível da indústria de transações financeiras ilegais”, Esteban Castaño, CEO & co-fundador da TRM Labs, foi citado dizendo.

No total, o relatório do Labs previu que US$ 7,8 bilhões seriam canalizados em diversos esquemas fraudulentos criptográficos ao longo de 2022.

Vai gostar:   Qual é a forma mais eficaz de aumentar um montante pequeno de economias?

Do todo, aproximadamente US$ 2 bilhões foram obtidos por meio de invasões e aproveitamentos de pontos de passagem cross-chain, tecnologias descentralizadas que são utilizadas para transferir bens digitais de um blockchain para outro.

O Ataque Ronin de 2022, o mais conhecido entre os hacks de conexão entre cadeias, foi responsável por roubar mais de US$ 600 milhões do agressor.