É possível que a economia criadora resista às recessões?

Os economistas e os líderes de negócios estão alarmados com a possibilidade de que uma recessão possa ocorrer em 2023. Uma pesquisa recente do Fórum Econômico Mundial revelou que quase dois terços dos entrevistados temiam que isso acontecesse. Como medida preventiva, a Reserva Federal aumentou as taxas de juros de forma agressiva, como não se via desde o início da década de 1980.

No entanto, existem alguns informes tranquilizadores: embora possamos mergulhar em uma recessão, os relatórios NPR (abre em uma nova aba) indicam que provavelmente não será repetitivo ao 2008 e, em vez disso, será “uma recessão de pequena escala”. Além disso, aqueles que fazem parte da economia criativa, com aproximadamente dois milhões de criadores em tempo integral e 46 milhões de amadores (abre em uma nova aba), ou o setor de influenciadores de marketing, que vale US$ 16,4 bilhões (abre em uma nova aba), pode não ter motivos para preocupação.

Os criadores de conteúdo ganham renda de várias formas: através de publicações patrocinadas (geralmente, chegando a cerca de US$ 100 para 10.000 seguidores), vendendo produtos ou itens próprios, usando links de afiliados ou fazendo lucro fora das próprias plataformas. Embora eles não façam uma grande quantia de dinheiro – de acordo com o Glassdoor, os criadores de conteúdo tiveram em média US$ 48.800 em 2022 – a economia criadora é frequentemente considerada resistente à recessão, pois é impulsionada pelo apoio financeiro direto do público e pela capacidade dos criadores de se conectar com o seu público, que é tipicamente menos afetada por mudanças econômicas.

É chegado o momento de dar início às atualizações no seu canal no YouTube? Como tudo tem relação com a economia, pode ser uma tarefa desafiadora.

Anúncios não precisam ser tão devagar para os criadores quanto para os demais.

Durante uma recessão, as atitudes de compra das pessoas mudam. Elas estão menos dispostas a desembolsar mais dinheiro para adquirir produtos e podem não estar tão propensas a clicar em anúncios. No entanto, Ali Fazal, vice-presidente de Marketing na plataforma GRIN de gerenciamento de criadores, disse à Mashable que as pessoas não irão abandonar criadores e provavelmente não vão deixar de confiar neles.

Vai gostar:   Ótimas ideias para selecionar aplicações financeiras

Fazal expressou que a economia criadora é uma válvula de escape para tempos de recessão, já que as pessoas buscam mais relações interpessoais com criadores durante momentos difíceis.

Apesar do enorme potencial de recessão, os dados do Retail TouchPoints indicam que as empresas nos Estados Unidos deverão investir US$ 4,6 bilhões no marketing de influenciadores em 2023, o dobro do gasto de 2018. Além disso, mais de 65% das marcas pretendem expandir ainda mais seu orçamento nessa área. Segundo David Steinberg, fundador da plataforma de tecnologia de marketing Zeta Global Holdings Corp, escrevendo para Fast Company, é de se esperar que, até 2023, haverá uma mudança para um marketing mais eficaz que se baseia nas necessidades e desejos individuais do consumidor.

Em 2023, Steinberg prevê que as marcas começarão a ver as experiências individuais dos consumidores como conteúdo e aumentarão o investimento em criatividade depois de anos focados em mídias. Ele também acredita que esta era se concentrará em plataformas orientadas verticalmente, como Instagram e TikTok. “Este conteúdo inovador e imersivo será extremamente atrativo e convertível para os consumidores, levando a vendas diretas para as marcas”, afirma.

O fundador e CEO da Influential, Ryan Detert, asseverou que, durante este período de recessão econômica, as empresas são extremamente cautelosas com os dólares que gastam. Ao invés de investir somas consideráveis em publicidade de TV ou podcast, elas podem optar por aplicar mais capital no marketing de influenciadores, já que é mais acessível e foi comprovado que é eficiente.

Mesmo que o público seja muito grande, ele é experiente o suficiente para saber que o motivo pelo qual esses criadores começam a produzir vídeos de alta qualidade, que são disponibilizados para assistir gratuitamente, é porque eles estão envolvidos em uma relação financeira com os patrocinadores”, disse Dave Wiskus, fundador e CEO da Nebula, um serviço de streaming para criadores, à Mashable. Wiskus acrescentou que os espectadores também contribuem para retribuir o criador, seja se cadastrando ou comprando os produtos que estão sendo patrocinados. Assim, não apenas você obtém algo que deseja, mas também apoia um criador cujo trabalho é de grande satisfação para você.

Vai gostar:   Como adquirir ApeCoin (APE)?

Os criadores de conteúdo não podem ficar inteiramente dependentes dos anúncios e patrocínios, mesmo assim.

No YouTube, os criadores ganham cerca de US$ 18 para cada mil visualizações de anúncios (em uma nova aba) ou US$ 3 a US$ 5 para cada mil visualizações de vídeo, o que não é quase suficiente para sobreviver. Para que isso seja possível em 2023, há a necessidade de incluir patrocínios, no entanto, esses podem não ser consistentes – especialmente se houver uma recessão e as marcas decidirem cortar orçamentos de marketing. Por isso, as pessoas precisam diversificar seus fluxos de renda para que possam sobreviver à crise, de acordo com Wiskus. Assim, os criadores que

Por exemplo, Sarah Renae Clark (abre em uma nova aba), um YouTuber e criador de conteúdo, multiplicou as maneiras de ganhar dinheiro com publicidade e conteúdo patrocinado, mas também vendendo livros de colorir, planejadores, paletas de cores e outros materiais artísticos que acompanham seus canais de mídia social voltados para a arte. É uma das razões pelas quais ela não está muito preocupada com a possível recessão. Ela e o marido não somente recebem renda de anunciantes, mas também desenvolveram produtos que vão de centenas de peças por dia.

Clark afirmou à Mashable que, apesar da recessão, eles encontraram produtos que o público necessita. “Não estou sentado aqui em pânico”, disse ele. As pessoas não estão apenas comprando esses bens para apoiá-lo como um criador, mas porque elas realmente querem e precisam desses produtos.

  • YouTube está mudando sua política de palavrão devido ao forte reação de seus usuários.
  • A Twitter parece estar pronta para introduzir sua própria moeda, a fim de recompensar os criadores de conteúdo.
  • Em não muito tempo, os criadores do TikTok estarão aptos a oferecer material somente para maiores de idade.
  • Elon Musk não tem compreensão de criadores. O fato de proibir links de fontes externas no Twitter comprova isso.
  • Em 2022, os criadores de conteúdo não poderiam sobreviver sem esses recursos.
Vai gostar:   Seis Ações Perigosas para Investidores Iniciantes

Mesmo durante uma recessão, as pessoas ainda adquirirão o que desejarem ou necessitarem, principalmente.

Ninguém é completamente imune a uma possível recessão econômica.

Não há como fugir dos efeitos da queda econômica. Os criadores ficam sujeitos à diminuição da renda disponível para os consumidores gastarem em conteúdo e mercadorias criadas por eles. Além disso, eles também têm de lidar com a aumentada competição, já que mais pessoas estão recorrendo à criação de conteúdos on-line como fonte de renda, tendo de trabalhar por menos ou gastar mais para produzir.

Consequentemente, mesmo que a recessão seja mais esperada para atingir os EUA, não se deve ignorar o fato de que ela afetará os criadores em outros países. Muitos criadores têm relações comerciais e financeiras com os Estados Unidos, o que significa que eles não estão completamente imunes aos efeitos de uma recessão nos EUA.

O Nieman Lab informou que muitos modelos de assinatura de conteúdo têm a capacidade de resistir a uma recessão. Por exemplo, Patreon suspendeu seus planos de criptomoeda devido ao “atual cenário econômico”, enquanto o Substack disse ao Financial Times que está considerando aumentar seu capital no curto prazo. Twitch está tomando mais cortes de pagamentos de assinatura, e dados do Dealroom informam que um terço das pessoas que pagam por assinaturas de mídia planejam reduzir isso em 2023. Além disso, os números do Financial Times mostram que o investimento no setor de economia criativa cresceu de US$ 1,4 bilhões em 2020 para US$ 3 bilhões em 2021.

Ainda assim, a economia criadora está florescendo, pois um em cada quatro jovens americanos afirmou que desejam se tornar influenciadores quando adultos. Uma pesquisa adicional revelou que 86% dos jovens americanos estão abertos a se tornarem influenciadores, 12% dos adolescentes já são influenciadores e 20% dos jovens conhecem pessoalmente um influenciador.

A economia criadora está ainda nos seus primórdios. O Facebook foi fundado em 2004, YouTube em 2005, Instagram em 2010 e TikTok em 2016. Dado que a economia criadora, como se sabe, ainda não experimentou uma recessão, permanece ainda como algo desconhecido no que diz respeito à sua performance a longo prazo. Enquanto isso, o tempo correrá.