Uma maldição disfarçada de bênção? É assim que algumas nações vêem o Crypto Crackdown dos Estados Unidos?

Imagem: JonPauling/ShutterStock

A pressão regulatória sobre o cripto nos Estados Unidos pode ser o que é necessário para que a indústria floresça em outras localidades, de acordo com um artigo recente do Wall Street Journal.

No entanto, o artigo adota uma postura extremamente desfavorável em relação às criptomoedas, não sendo algo a ser aplaudido o fato da indústria estar migrando para mercados mais seguros no exterior.

Para evitar a interferência regulatória nos Estados Unidos, a indústria de criptomoedas “pode se refugiar no exterior”, o artigo afirmou, acrescentando que “evitar as regras de finanças padrão não é um erro da criptografia, é uma das suas principais ferramentas”.

A obra literária de Jon Sindreu, colunista com base em Londres, acusa a indústria de criptomoedas de proporcionar um caminho para a especulação exagerada, enquanto revigora antigos fenômenos, tais como corrida bancária. Ele sugere, ainda, que a inovação de cripto não trouxe nenhum valor econômico.

Apesar disso, algumas áreas fora dos Estados Unidos, como a União Europeia, o Reino Unido, a Suíça, Hong Kong e os Emirados Árabes Unidos têm regulamentações muito mais favoráveis para criptomoedas do que os Estados Unidos.

Até o presente momento, a legislação sobre Mercados de Cripto-Ativo (MiCA) da UE tem forçado as principais bolsas de criptografia Binance, Coinbase e Gemini a se estabelecerem como entidades regulamentadas na Europa, enquanto muitas outras empresas criaram suas sedes em Hong Kong e nos Emirados Árabes Unidos.

Recentemente, durante o último mês, os reguladores de Hong Kong deixaram claro que estão ansiosos para atrair empresas de criptografia para a cidade semi-autônoma, falando aos bancos em uma reunião fechada que eles não devem ter medo de aceitar essas companhias como clientes.

Vai gostar:   Investir uma boa estratégia está contribuindo para o crescimento?

A mídia é conhecida como a “Grande Bandeira Vermelha”.

O Wall Street Journal destacou que a Lei MiCA da UE tem um alcance limitado sobre os protocolos de finanças descentralizadas (DeFi), o que foi visto como “uma grande bandeira vermelha”.

Teoria de descentralização à parte, existe a possibilidade de que o universo criptográfico possa ser monopolizado por grandes investidores, com a votação ficando concentrada em poucos, segundo o artigo.

A última parte indicou que as leis que regem a criptografia na UE e em outras localidades não se manterão amigáveis até que outro escândalo grave de investimento seja descoberto, o que provavelmente resultará em reguladores apertando as regras.

Sindreu concluiu sua peça afirmando que, quando se trata de criptomoedas, todos os caminhos podem, eventualmente, levar de volta à Securities and Exchange Commission.