Não pense fora da caixa.

Desde o pico de junho de 2022, o Índice de Commodities Dow Jones – que monitora um grupo de futuros de energia, metais e produtos agrícolas – caiu quase 25%. As ações de muitos fornecedores de commodities mantiveram-se melhor, já que os preços atuais ainda estão acima dos últimos dez anos: as grandes petrolíferas podem gerar muito dinheiro com o petróleo a US$ 70-80 por barril. No entanto, para aqueles que esperam que a inflação volte ao antigo padrão de 2%, isso parece pouco útil.

Apesar do fato de que os valores das mercadorias são frequentemente variáveis e muitas vezes seguem ciclos, ainda há a chance de um aumento. Por exemplo, o preço do óleo caiu de cerca de US$ 10 por barril em 1999, que deu origem à capa da revista The Economist, intitulada “Drowning in Oil”, sugerindo que o preço ainda poderia cair para US$ 5. Por outro lado, chegou a um valor de US$ 147 em 2008, antes da crise financeira. Além disso, ao longo do caminho, houve mudanças de preço tão significativas quanto a que foi observada nos últimos doze meses.

O fornecimento e a procura são fatores essenciais no mercado.

Os preços do gás natural europeu tiveram um grande declínio desde seu pico de quase €350 por MWh em agosto. A ansiedade causada pela falta de suprimentos da Rússia desapareceu e os estoques estão se enchimento rapidamente. Embora os preços possam subir novamente durante a estação de inverno, não serão tão elevados quanto no ano passado. Além disso, a construção de terminais de GNL alterará permanentemente a estrutura do mercado.

A maioria das outras commodities tem incentivos para acreditar que o recuo será temporário. Os baixos investimentos na produção de combustíveis fósseis, irão gerar escassez no futuro, se não houver uma mudança rápida para fontes de energia renováveis. Além disso, o processo de transição para energia alternativa necessita grandes quantidades de metais como cobre. Embora não haja uma demanda tão grande por commodities como a que a infraestrutura da China criou nos anos 2000, a população da Índia ainda está em franco crescimento, e seu potencial econômico provavelmente é muito maior do que se previa.

Vai gostar:   Reflexionar sobre o progresso de um estudante?

Eu sou muito cauteloso quando se trata de investir em produtos básicos, pois a história nos ensina que a maioria dos preços de matérias-primas tende a diminuir em termos reais a longo prazo, devido à maior eficiência e à substituição. Contudo, após uma década de investimento, existem argumentos sólidos para acreditar que estamos nos estágios iniciais de um novo ciclo de aceleração. É plausível que isso seja uma outra fonte de aumento da inflação a longo prazo – e uma boa razão para se ter algumas empresas de petróleo e mineradoras como segurança.