Por que o Bitcoin não se igualará ao ouro?

O Bitcoin está de volta. Uma moeda digital está custando agora £ 22.700, que é 65% mais alto do que em dezembro. Isto faz sentido para muitas pessoas, pois a crise bancária tem desencadeado um interesse no Bitcoin como uma nova forma de estocar riqueza, desprovida de pontos centralizados de falha. Ao segurar o Bitcoin, se obtém uma defesa contra a inflação, um ativo que tenderá a aumentar com o tempo (devido ao fornecimento limitado) e, é claro, um meio de troca.

Talvez, talvez não. Possivelmente não. A teoria do Bitcoin soa bem. Na prática, é outra história. A criptomoeda não oferece proteção contra a inflação (ainda está abaixo de 35% em um ano). Não é confiável: se houve alguma vantagem, o mal está fazendo um ótimo trabalho para eliminá-la (eu lhe dou FTX). Não é simples de usar, e como a grande maioria dos que tentam usá-lo descobre, não é particularmente prático.

A menos que você tenha intenções ilegais, você pode usar um banco tradicional para transferir seu dinheiro para qualquer lugar. Porém, o Bitcoin está se tornando cada vez menos prático. Atualmente, tudo precisa de uma forma de conectar-se ao sistema financeiro existente: você precisa recarregar sua Conta Coinbase com algo antes de adquirir sua criptomoeda. Você pode achar que seu Bitcoin o isola do controle do governo (é descentralizado e independente), mas para entrar e sair dele, você precisa do banco controlado pelo governo. Essa é uma questão cada vez mais problemática para os entusiastas de criptografia.

Recentemente, houve muitas discussões sobre a forma como os reguladores dos EUA estão abordando o cripto. Porém, um problema de maior importância é que muitos bancos dos EUA não querem financiar nenhuma empresa que esteja ligada a este negócio. De acordo com o Bloomberg, as instituições financeiras estão impondo formulários mais longos para empresas envolvidas com a criptografia, “negando trabalhos para empresas menores e, em alguns casos, negando trabalho com o setor de forma geral”.

Vai gostar:   Uma perspectiva internacional dos regulamentos, tributações e possibilidades de aquisição de Bitcoin nos Estados Unidos

O Reino Unido está vendo os bancos imporem limites diários na quantidade que seus clientes podem transferir para a troca de criptomoedas a cada mês. Apesar de o Bitcoin e outras criptomoedas funcionarem sozinhos, elas não têm tanta utilidade quando precisam interagir com o mundo real.

Evite a dor de cabeça de criptomoedas

Portanto, aqui está a pergunta: se deseja algo com todas as vantagens do Bitcoin, mas sem toda a dor de cabeça, por que não optar por outra alternativa? Talvez seja a versão física do Bitcoin – que John Stepek e eu gostamos de chamar – ou o Bitcoin de Deus, como Alec Cutler da Orbis o chama – ou, o que é mais conhecido pelas pessoas, o ouro.

Imagina-se que um governante divino tenha escrito um papel branco para ouro, tal como o criador da Bitcoin parece ter feito com a sua nova moeda. Talvez esteja na mente do governante que a humanidade tem necessidade de um veículo prático e seguro para manter a riqueza e de um meio de troca globalmente confiável, tanto para as transações entre governos como entre pares, que mantenha o seu valor para sempre.

Como seria o veículo perfeito? Seria resistente, singular, reconhecível a olho nu – e simples de empregar. Não seria possível fabricá-lo a partir de outros componentes. Existiria uma quantidade limitada desse veículo na Terra e seria complicado descobri-lo e manipulá-lo – dessa forma, a soma total disponível seria limitada e a quantidade que está circulando aumentaria somente em uma ínfima porcentagem a cada ano.

Com o passar dos anos, tornou-se universalmente respeitável, pois nada estava disponível que reunisse todas as qualidades que o tornaram incrivelmente eficaz. Nós estamos aqui. O ouro tem sido usado como forma de pagamento por milênios – e funciona exatamente como a divindade previu.

Vai gostar:   O que é o índice FTSE 100?

É a única coisa que acontece. Porém, o problema com o ouro é que, enquanto geralmente é altamente confiável a longo prazo (por muitos anos, uma onça tem equivalido ao preço de um traje de qualidade feito à mão), como Duncan MacInnes de Ruffer observa, não é tão seguro no curto prazo.

Ele não se move exatamente junto com a inflação a curto prazo. Às vezes ele ultrapassa e fica estagnado, outras vezes ele atravessa e, em seguida, sobe. Estamos no meio de um processo de recuperação. Ouro tem estado atrás: enquanto uma onça atualmente custa £ 1.600, um terno de Savile Row sob medida custa mais de £ 5.000. Ainda há sinais de que isso não deve permanecer assim por muito tempo. Se olharmos para o ano passado, o preço do ouro subiu bastante em libras, mas não tanto em dólares. Isso poderia ser considerado inútil – afinal, a inflação havia chegado a cerca de 10% em todo o mundo até o fim do ano.

Apesar de o ouro não gerar nenhum rendimento, sua procura aumentou com as taxas de juros subindo de quase nada para entre 4%-5% no ano passado. Isto foi principalmente devido à preocupação com a inflação, mas também à possibilidade de confiscação de ativos por parte dos países ocidentais. Por essa razão, muitos preferiram manter seu ouro físico em locais não ocidentais.

Os bancos centrais provavelmente têm em mente algo semelhante: ambos os chineses e indianos são famosos por terem adquirido grandes quantidades (obviamente eles leram o papel branco de Deus). Não há evidências de que eles estejam estocando criptomoedas (ao menos não que saibamos). A Ruffer Investment Company (LSE: RICA) possui cerca de 5% de seus ativos sob gestão em ouro e ouro. Para maior exposição, os leitores podem conferir o favorito MoneyWeek de longo prazo, o Personal Assets Trust (LSE: PNL), onde isso é de mais de 11%, com 9% em ouro real. Nada de digital.

Vai gostar:   11 compromissos financeiros que você pode tomar para o Ano Novo

Merryn Somerset Webb é uma escritora sênior para Bloomberg. Você pode ficar por dentro de seu trabalho no Twitter e Instagram @merrynsw.