A expectativa de que se alcance o equilíbrio zero nas emissões de gases de efeito estufa, aumentará os custos do óleo.

Eu sempre terei os melhores resultados se eu me concentrar em falar sobre o mercado de propriedades do Reino Unido enquanto examino assuntos de investimento.

Competindo por segundo lugar nas apostas dos leitores temos o ouro e o Bitcoin, tendo que enfrentar um novo e desafiador desafiante na Inteligência Artificial.

No entanto, se eu escrever sobre óleo, poucos parecem notar.

Se você abordar a questão do óleo em relação à ilusão Net Zero ou à geopolítica, o interesse do público aumenta. Oferecendo ao leitor um aspecto político intrigante, o que chama a atenção dos indivíduos em tempos de tanta polarização.

Existe um tema ainda menos discutido do que o petróleo: o gás natural.

Eu não cobro carvão com frequência, embora eu suspeite que seria lá embaixo na lama, desculpe a piada, juntamente com os outros combustíveis fósseis.

Portanto, com uma atração certa, olhamos para os mercados de petróleo de hoje. No entanto, olhamos para eles. O mundo que desfrutamos atualmente não seria possível sem a incrível energia gerada pelos combustíveis fósseis.

O petróleo é o motor que move o mundo.

A energia é necessária para realizarmos nossos sonhos e aspirações. Sem ela, estamos destinados a fracassar, pois aqueles que definem as políticas no mundo ocidental parecem ter esquecido o quanto ela é importante para nos tirar da pobreza e melhorar nossos padrões de vida. É por isso que precisamos usar a energia de maneira eficiente e responsável para alcançar nossos objetivos.

Cerca de 100 milhões de barris de petróleo são consumidos diariamente em todo o mundo.

A Venezuela possui as maiores reservas de petróleo do planeta. A Arábia Saudita lidera a produção mundial, com uma produção diária de 11,5 milhões barris.

O primeiro não é de forma alguma um amigo dos Estados Unidos, mas o último (em termos gerais) é. Os Estados Unidos fornecem muito apoio militar e de segurança para o governo saudita.

Contudo, a Arábia Saudita divulgou duas declarações na última semana, o que não será bem visto pela administração Biden.

Durante o fim de semana, os sauditas, juntamente com outros grandes produtores, declararam um ajuste inesperado de produção de até 1,15 milhão barris por dia. Só os sauditas reduzirão 500 mil b/d e o Iraque 211 mil b/d.

Vai gostar:   Os lucros da Alibaba poderiam compensar o fraco gasto dos consumidores chineses.

Isso segue uma queda anterior de 2 mb/d em outubro do ano passado, que eu acho que seria correto afirmar que a equipe Biden ficou insatisfeita em relação a ela.

Por que essas reduções têm gerado tanto tumulto? Isso porque elas estão pressionando os preços do petróleo. Com isso, os cidadãos estão ainda mais insatisfeitos nesses tempos de inflação – cidadãos que provavelmente não escolherão os Democratas na próxima eleição.

Eles também têm o efeito de reduzir a oferta de petróleo e, consequentemente, aumentar o valor da exportação de petróleo russo. A última coisa que os Estados Unidos desejariam ver é algo que dê aos russos mais poder econômico em meio aos atuais conflitos financeiros. Cada queda de dólar no preço do petróleo representa um aumento de US$ 2,7 bilhões no valor da exportação russa, e essa informação está se espalhando.

Então existe a problemática das reservas estratégicas de petróleo dos Estados Unidos. Tendo em vista conter os custos da gasolina, a administração Biden comercializou 180 milhões de barris da reserva no ano passado a uma média de US$ 96,25 por barril.

Com o declínio dos custos do petróleo, esta parecia ser uma boa transação – desde que eles recuperaram o seu investimento.

O objetivo era recarregar a reserva e adquirir novamente no mercado ao vivo quando os preços chegassem a US$ 67-72. Esse objetivo foi alcançado, mas a equipe administrativa, juntamente com todo o universo de investimento, agora sabemos, teve apenas dois ou três dias no mês de março para aproveitar a queda abaixo de US$ 72. Duvido que eles tenham conseguido.

O estoque de petróleo bruto nos Estados Unidos da América é agora de 372 milhões de barris, o nível mais baixo desde 1984. Em 2010, seu nível mais alto foi de 727 milhões de barris.

Os preços do petróleo respondem aos fundamentos do mercado.

Desde 20 de março, o Brent caiu US$ 70 e subiu até US$ 85.

Chart showing price of crude oil
Imagem: stephmcblack/FreePik

Então, neste momento, voltamos nossa atenção para a segunda fonte de irritação: o reforçamento das conexões energéticas entre a Arábia Saudita e a China.

Vai gostar:   Agora seria o momento adequado para adquirir propriedades no Reino Unido?

Os resultados foram evidenciados na última semana com o acordo de US$ 3,6 bilhões para fornecer 480.000 b/d para a China Rongsheng Petroquímico.

Ali Shihabi afirmou que a conexão tradicionalmente exclusiva entre os Estados Unidos e a Arábia Saudita já não existe mais.

Isso segue um tratado comercial entre a China e o Brasil (a China é o parceiro de negociação mais importante para o Brasil) para operar em yuan e reais, ao invés de dólares. Esta é uma parte do processo de desdolarização, que está acontecendo aos poucos. (A China também já estabeleceu um acordo com a Rússia e o Paquistão em yuan.)

Não é apenas uma mudança da utilização do dólar, é uma mudança de padrão ocidental. Agora, 5,4% de todas as transações brasileiras estão relacionadas com o yuan chinês, superando o uso do euro.

No “Rússia Davos” – o Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo – que aconteceu na última semana em Nova Deli, Alexander Babakov, Vice-Presidente da Duma do Estado da Rússia, declarou que a aliança BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) está trabalhando em uma nova moeda que seria respaldada por ouro e outras mercadorias, incluindo elementos de minerais raros.

Este discurso sugeriu a necessidade de se criar uma nova moeda, a qual deverá ser ligada a uma estratégia que não apoia o dólar ou o euro dos Estados Unidos, mas sim, trabalhar na favor dos interesses comuns.

Esta ideia não é inédita, mas isso não reduz a importância que ela tem no que diz respeito às viagens.

Reafirmando sobre o petróleo, a economia recessiva e a necessidade por perfuração tem desencadeado a escalada de preços desde meados de 2022. No entanto, parece que encontramos um limite aproximado de 70 dólares.

Em 1980, as nações da OCDE representaram 70% da necessidade mundial. No entanto, este percentual agora está abaixo de 50%. Contudo, os mecanismos de prognóstico de demanda tendem a se concentrar em países desenvolvidos, embora em mercados emergentes a procura se mantenha resistente. Como resultado, a procura global ultrapassou os níveis de 2019 pré-Covid. Esta tendência só deverá aumentar.

Vai gostar:   Você quer possuir mais riqueza? Compreender os princípios da acumulação de bens é o primeiro passo.

Existências de petróleo se beneficiarão da escassez de investimentos.

Devido aos fatores geopolíticos, o investimento tem sido reduzido; em 2014 chegou a US$ 900 bilhões, de acordo com o IEA, e hoje é de US$ 400 bilhões. O investimento é fundamental para o abastecimento, e os estoques globais estão no nível de 2003. A Goehring & Rozencwajg, uma casa de investimento de recursos naturais, afirma que “se os nossos modelos estiverem corretos, os inventários podem chegar ao nível mais baixo desde 1986”.

Contudo, os investidores resistem à alocação de recursos para espaço. No últimos dois anos, a energia teve um desempenho muito melhor que qualquer outro setor no S&P 500, com 130 pontos percentuais a mais. Apesar disso, a capitalização da energia do S&P 500 representa menos de 5%, menos da metade da média de longo prazo e 65% inferior ao pico de 2008.

Apesar do rendimento, o óleo e o gás estão passando por fluxos líquidos.

A ESG tem um papel importantíssimo nesse assunto. Por causa das diretrizes da ESG, casas de investimento não podem investir mesmo que queiram. Narrativas erradas sobre combustíveis anti-fósseis do Ocidente, que não reconhecem os benefícios que os combustíveis fósseis permitiram, também não ajudam.

A estratégia energética da área ocidental tem sido responsável por deixar os habitantes dessa região em situação cada vez mais precária.

Não é surpreendente que muitas nações possuam um alto nível de desenvolvimento econômico.

Apesar da demanda mais fraca do que a esperada para o segundo semestre, acreditamos que os mercados globais de petróleo estarão em déficit estrutural de até 500.000 b/d por meio de 2022, dizem Goehring & Rozencwajg. Eles estimam que esse déficit será ainda maior em 2023.

Até que ocorra uma revisão profunda das práticas energéticas, o que exige uma modificação significativa no discurso e, assim, naqueles que o estabelecem, nada mudará. Nós ainda estamos longe disso. O investimento tem sido insuficiente por mais de uma década, o que indica que os preços serão ainda mais altos no futuro.

A região Oeste está progressivamente se distanciando.

Por que é importante ter investimentos em ouro e energia no seu portfólio?