Bernstein afirmou que a administração dos Estados Unidos vem demonstrando interesse em dar aprovação para um ETF Bitcoin.

Imagem: GernotBra/iStock

A empresa de corretagem Bernstein considera que há uma grande oportunidade de que a Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos conceda aprovação para um Fundo de Negociação de Bitcoin (ETF).

Em um estudo divulgado na segunda-feira, Bernstein indicou que a SEC está experimentando pressão crescente para aprovar o produto em questão, particularmente desde que eles já deram sinal verde para ETFs Bitcoin baseados em futuros e ETFs baseados em alavancagem futuros.

A lógica por trás destas autorizações é que os preços futuros são derivados de trocas supervisionadas como o CME.

Todavia, a SEC mantém-se relutante em relação ao assunto dos ETFs de Bitcoin devido às preocupações sobre a normalização das trocas pontuais como a Coinbase e a possibilidade de manipulação de valores, de acordo com observações de Gautam Chhugani e analistas.

Apesar de ter experimentado uma grande quantidade de propostas, a SEC ainda tem de aprovar uma oferta de ETF de Bitcoin.

No mês passado, a BlackRock – uma empresa de gestão de ativos – submeteu documentos para um ETF de Bitcoin, o que motivou outras organizações, como a Invesco e a Wisdom Tree, a também seguirem o exemplo ou a propor seus próprios ETFs de Bitcoin.

A Bolsa de Opções de Chicago (CBOE) apresentou à Comissão de Valores Mobiliários (SEC) uma proposta de Fidelidade para criar um ETF de Bitcoin.

Contudo, a SEC restituiu os registros devido à obscuridade e completude insuficientes.

A SEC está contendo com a BID de Grayscale para transformar seu GBTC em ETF.

Um progresso surpreendente nesta esfera é o empenho da Grayscale para transformar seu Grayscale Bitcoin Trust (GBTC) em um ETF, que está aguardando uma sentença de um tribunal de apelações.

Vai gostar:   Vale a pena ter Investimentos de Poupança Automática?

Os especialistas da Bernstein afirmaram que o tribunal mostrou pouca confiança no argumento de que os preços futuros não derivam dos preços atuais.

O tribunal não foi capaz de acreditar que o preço de um futuro não é baseado no preço de um ativo, o que tornou difícil para os tribunais aceitarem a ideia de que um ETF seja fundado em futuros em vez de ativos.

Em reação aos problemas regulatórios, a indústria propôs um tratado de observação entre operadores de troca de pontos e bolsas reguladas como a Nasdaq.

Este tratado ofereceria o controle e a observação necessários, lidando com as inseguranças da SEC em relação à influência nos mercados de Bitcoin nacionais.

A ausência de um ETF de Bitcoin (Exchange-Traded Fund) foi responsável pelo surgimento de produtos de balcão (OTC), como o Bitcoin Trust da Grayscale (GBTC).

Bernstein notou que essas mercadorias comerciais fora de bolsa são mais caras, não líquidas e menos eficazes do que os ETFs.

Realmente, GBTC tem trocado em volta de um abatimento de 40% do montante de recursos líquidos há muito tempo, induzindo a Grayscale a indagar a ratificação da SEC para um ETF de Bitcoin.

A Grayscale sustentou que tanto os preços de mercado a vista quanto os ETFs de futuros de Bitcoin estão sujeitos aos mesmos riscos, portanto não é lógico aprovar um produto e não aprovar o outro.

No geral, Bernstein tem a opinião de que a postura da SEC quanto aos ETFs de Bitcoin pode se alterar em um curto espaço de tempo.

Com o aumento da atenção de gestores de fundos e a monitorização proposta pela indústria, é altamente provável que os Estados Unidos aprovem um ETF de Bitcoin em algum momento no futuro.

Vai gostar:   5 passos para começar um portfólio de ações e distribuir ISA

O SEC desejaria mais a introdução de um ETF de Bitcoin regulado liderado por participantes da Wall Street, bem como o monitoramento de trocas reguladas existentes, do que ter que lidar com um produto da Grayscale OTC para preencher a lacuna institucional, segundo o relatório.