A OpenAI foi processada por suposto abuso dos dados dos usuários da web.

OpenAI, cujo trabalho está relacionado à Inteligência Artificial (IA), é alvo de um processo, acusando-a de aproveitar inadequadamente grandes quantidades de informações confidenciais dos usuários da web para treinar suas ferramentas de IA, como o ChatGPT.

Principais temas abordados na reunião

  • OpenAI, a companhia de Inteligência Artificial (IA) por trás do ChatGPT, foi acusada em um processo acusando que ela teria explorado grandes quantias de informações de usuários da web.
  • A queixosa, uma firma de advocacia de interesse público chamada Clarkson, apresentou processos no passado sobre questões que vão desde violações de dados à lei antirrruste.
  • Até o presente momento, não há um acordo estabelecido para definir as condutas éticas no uso de informações pessoais para criar utensílios e programas de Inteligência Artificial.

O processo foi apresentado ontem em um tribunal federal da Califórnia por Clarkson, um escritório de advocacia de interesse público baseado em Malibu que no passado iniciou processos de ação de classes sobre questões que vão desde disputas de emprego a violações de dados e leis antitrust. Sua missão, como afirmado no site da empresa, envolve “focar ações em massa que ajudam a criar uma sociedade mais justa, equitativa e justa para todos”.

Este processo, de acordo com a denúncia do tribunal, “aparece de defensores” [OpenAI] conduta ilegal e prejudicial no desenvolvimento, marketing e operação de seus produtos AI, que usam informações privadas roubadas de centenas de milhões de usuários da internet sem seu consentimento ou conhecimento informado.

No processo, Clarkson alegou que a OpenAI coletou, armazenou e divulgou tudo, desde nomes de usuários, informações de contato, credenciais de login, pesquisas na internet, informações de mídia social e geolocalização. Ao adquirir os dados pessoais de milhões e usá-los para desenvolver uma tecnologia volátil e não testada, a OpenAI coloca todos em um perigo incalculável, mas inaceitável por qualquer medida de proteção e uso de dados responsáveis”, disse o parceiro de Clarkson Timothy Giordano em sua apresentação.

Vai gostar:   Um grande passo na jornada da indústria de criptomoeda, foi dado com a apresentação de documentos da BlackRock para um ETF Bitcoin.

Visto que a maioria dos programas de IA ainda está em seus estágios iniciais de criação, a legitimidade do uso de informações obtidas na web para treinar ferramentas de IA é algo incerto, e um sistema que estabeleça práticas justas ainda necessita ser configurado e estabelecido.

Alguns programadores sustentaram que o acesso aos dados da web deveria ser visualizado como “utilização adequada”, um conceito em direito autoral que permite uma isenção no uso de dados particulares, desde que o material seja modificado de modo “transformador”.

A OpenAI não é a única a ser acusada de má utilização de dados de usuários ou mineração de bancos de dados públicos para treinar suas ferramentas de inteligência artificial. Grandes players da tecnologia como o Facebook (META), Google (GOOGL), Apple (AAPL), Amazon (AMZN) e Microsoft (MSFT) foram alvo de processos nos últimos anos. A Comissão de Proteção de Dados da Irlanda condenou a Meta Platforms a 1,2 bilhões de euros (US$1,31 bilhões) em julho passado, devido à transferência ilegal de dados de usuários da Internet para os Estados Unidos.

No entanto, Clarkson optou por apoiar o OpenAI em função de seu objetivo de incentivar concorrentes mais robustos a avançar com sua própria inteligência artificial, depois que o ChatGPT exasperou o interesse do público no ano passado, comentou a companhia em uma declaração para o Washington Post.

Clarkson acrescentou que eles são a corporação que iniciou a disputa de tecnologias de inteligência artificial.