Por que você precisa se preocupar com Net Zero e outros termos climáticos?

Enquanto você passa pelas notícias de investimento ou vê sobre seus fundos, talvez você tenha ouvido comentários sobre a rede zero. Isso está recebendo cada vez mais foco de corporações, investidores, consumidores e responsáveis pela tomada de decisões.

Qual é a abordagem principal das empresas financeiras para alcançar a meta de zero emissões?

Recentemente, por exemplo, aqueles que controlam as ações têm solicitado às grandes instituições financeiras, como JPMorgan Chase (JPM), Goldman Sachs (GS) e Morgan Stanley (MS), para expor como pretendem atingir seus objetivos de emissão de zero. Em 2022, a poderosa Vanguard decidiu se afastar de uma entidade de zero emissão, porque acreditou que isso causou perplexidade para seus clientes.

O complicado universo das variações climáticas está repleto de gírias. Como a pandemia de Covid-19 trouxe consigo vocabulário misterioso como “EPC”, “RT-PCR” e “aplainar a curva”, a mudança climática também tem seus próprios termos que logo se tornarão algo comum.

Alvo de Zero Emissões de Carbono para 2050 é um objetivo ambicioso.

Até 2050, o Net Zero visa reduzir drasticamente as emissões de gases de efeito estufa, com uma queda de 45% até 2030. O aquecimento global tem sido uma grande preocupação para o sistema financeiro, pois apresenta riscos para as empresas e todos os tipos de investimentos. A meta é alcançar emissões zero até 2050 para mitigar os efeitos do aquecimento global.

Com o objetivo de reduzir o aquecimento global abaixo de 2°C e, idealmente, até 1,5°C, em relação aos níveis pré-industriais, estabelecidos pelo Acordo de Paris de 2015, será necessário alcançar emissões líquidas de zero até 2050. Isso significa que o volume de gases de efeito estufa emitidos na atmosfera deve ser igualado pelo volume desse mesmo gás retirado. Para isso, é preciso substituir as fontes de energia não renováveis, como carvão, gás e petróleo, por fontes renováveis, como vento, solar e captação de carbono. Cada metas de emissões líquidas zero vem acompanhada de um plano para sua concretização, como

Vai gostar:   Você deveria investir nessa credibilidade de mineração?

Para ter confiança, existem algumas armadilhas. De acordo com Adam Fleck, diretor de pesquisa de patrimônio da ESG para a Morningstar, “ser cuidadoso com os compromissos da empresa não garante o sucesso ou ação”. Isso porque muitos CEOs estão se comprometendo com compromissos de longo prazo e interinos com zero líquido, por exemplo, 27 anos no futuro. Dado que as empresas têm feito uma variedade de compromissos de longo prazo e temporários, Fleck diz que é importante que os investidores compreendam o que significa zero líquido.

Qual é o impacto na vida de investidores da aprovação da Reforma da Previdência?

É crucial entender como as emissões aumentam com a intensidade crescente em zero líquido, regulamentos pertinentes, custos de carbono, mecanismos comerciais e manutenção de colaboradores. “Os investidores que estão atentos são fundamentais”, argumenta Fleck.

Jon de Morningstar Hale sugere que os compromissos corporativos com a Rede Zero tornaram-se significativos para os investidores que desejam que as organizações façam sua parte para controlar as alterações climáticas. Ele acredita que o zero líquido se tornará uma medida crítica para fundos sustentáveis, pois é algo concreto que os investidores podem entender, desde que entendam o que isso significa.

A preservação ambiental oferece inúmeras oportunidades.

É essencial notar que, além dos riscos, há também grandes recompensas possíveis. Segundo Fleck, se estamos nos direcionando para a redução das emissões de carbono, isso nos abre muitas oportunidades para a colaboração da energia sustentável. Por exemplo, investimentos em energia limpa, energias renováveis, veículos elétricos e tecnologias de bateria.

Aqui há algumas outras expressões climáticas com as quais você pode experimentar.

As emissões de escopo 3 são aquelas que uma empresa não é responsável diretamente, mas que também afetam os níveis de emissão. Por exemplo, as emissões resultantes do uso de um produto pelo consumidor, ou aquelas produzidas pelo deslocamento dos funcionários para o trabalho. Estas diferem das emissões do escopo 1 que são as diretamente geradas pela empresa, como as dos veículos. As do escopo 2 são aquelas relacionadas à compra de energia. Embora representem a maior parte das emissões corporativas, são difíceis de quantificar e medir.

Vai gostar:   Uma orientação breve sobre pensões autônomas

Metas baseadas em ciência. Estas são as metas que as companhias aderem, a fim de cumprir o objetivo do Acordo de Paris de manter o aumento da temperatura em 2,0 graus Celsius – e, de preferência, 1,5 graus Celsius – em relação às temperaturas antes da Revolução Industrial. Criadas pela Science Based Targets Network, essas metas fornecem às empresas uma rota bem definida para reduzir suas emissões conforme o Acordo de Paris.

Compensação de carbono é uma maneira que as emissoras têm de compensar suas emissões. Uma das formas de deslocamento de carbono é a plantação de árvores, que absorvem dióxido de carbono por meio da fotossíntese, o que contribui para equilibrar os efeitos das emissões decorrentes de um voo. Outra forma de compensação é a aquisição de certificados negociáveis que estão ligados a ações que reduzem a quantidade de dióxido de carbono na atmosfera.

À medida que a meta de emissão zero se torna cada vez mais importante, as autoridades políticas exigirão que todos os setores se responsabilizem. “Isso terá um efeito direto sobre os retornos dos investimentos, modificando os valores das ações dos investidores”, destaca Fleck.