Os períodos prolongados são insanos.

Usando TIPS e contas de tesouraria para controlar o fluxo de dinheiro.

Eu ia escrever um artigo que seria uma continuação do “TIPS vs. Balanced Funds for Income: The History” da terça-feira, que forneceria uma visão do futuro. Ao preparar o material, no entanto, percebi que não poderia abordar adequadamente os temas sem discutir uma particularidade dos TIPS: Eles tendem a ter melhor desempenho quando a inflação é baixa.

Os títulos do Tesouro são um forte oponente para investimentos de longo prazo. Eles não se adaptam às flutuações do mercado, em contraste com outros títulos de renda fixa não amparados pelo governo dos EUA. No entanto, uma vez que TIPS são títulos do Tesouro, eles têm os benefícios de serem seguros e render juros.

Ao contrário do que se poderia esperar, as Contas do Tesouro foram criadas para não rastrear a taxa de inflação. No entanto, quando o Departamento do Tesouro começou a emitir Contas do Tesouro de um ano a partir de 1959, os rendimentos desses investimentos passaram a seguir de perto o Índice de Preços do Consumidor. Portanto, ao longo dos anos, as Contas do Tesouro se tornaram uma ferramenta útil para acompanhar a inflação.

A line chart showing the annual rates of change in the U.S. inflation rate and annual yields on 1-year Treasury bills, from 1960 -2022.
Imagem: karvanth/KaboomPics

Durante este período, as contas tiveram um rendimento médio de 4,85%, enquanto a inflação foi de 3,78%, o que significa que o retorno real foi de 1,03% (ou 1,07%, se preferir o aproximado). Isso se aproxima do retorno real atual de 30 anos de TIPS, que é de 1,46%. Desta forma, para aqueles investidores que procuram renda segura e protegida contra inflação, a escolha é entre dois investimentos com retornos esperados semelhantes, mas características diferentes. Um oferece estabilidade com um ajuste de inflação implícito, enquanto o outro é volátil, mas com cobertura explícita. (Outro modo de expressar o assunto, segundo Bill Bernstein, é que os Treasuries curtos s

O impacto das taxas de inflação na economia é grande. Quando a inflação aumenta, o poder de compra diminui, o que significa que as pessoas precisam gastar mais para adquirir os mesmos bens e serviços. Isso pode resultar em um aumento nos preços de mercadorias, o que pode ter um efeito desfavorável sobre a economia. Além disso, a inflação também pode ter um efeito na confiança do consumidor, pois eles podem não querer gastar seus recursos se acreditarem que os preços irão aumentar.

Embora seja fato, a avaliação está incompleta. Notar-se-á que os ganhos dos dois investimentos não são passíveis de comparação. A impressão que se tem é de que sim. É fato que as aplicações do Tesouro obtiveram, validamente, um aumento de 1% no que diz respeito à taxa de inflação, enquanto o TIPS de longo prazo é garantido pelo governo para oferecer um retorno ainda maior. Porém, na prática, essas cifras transmitem significados bem diferentes.

Vai gostar:   Qual é a forma mais eficaz de explicar o que é investimento para uma criança?

Para elucidar, consideremos dois investidores hipotéticos. O primeiro aplica R$10.000 em recém emitidos títulos do Tesouro de um ano, e gasta os rendimentos quando os títulos vencem (pois as contas do Tesouro pagam seus rendimentos por meio da valorização, e a diferença entre o preço de aquisição e o valor de resgate é seu retorno). Em seguida, ela reinveste R$10.000 em um novo lote de títulos por um ano. O segundo investidor coloca R$10.000 em TIPS de 30 anos, gasta os rendimentos reais do ano e se mantém.

Para essa tarefa, vou lidar com os rendimentos anuais do Tesouro de forma cautelosa. Ao invés de presumir que fornecerão um retorno real de 1%, com base em seu histórico, vamos avaliar que não gerarão nenhum ganho real. Seu lucro geral será igual à taxa de inflação. Nessa hipótese, 30 anos de TIPS gerarão o maior benefício.

Definitivamente, é certo que o TIPS ganhará facilmente o desafio se a taxa de inflação for zero. Nos termos desta questão, se ocorrer isso, um investimento de US$ 10.000 em contas de Tesouro de um ano não traria retorno por 30 anos. (Se isso parecer irrealista, considere como as taxas de juros curtas foram nos últimos anos, mesmo quando houve inflação levemente positiva.) Por outro lado, o TIPS de 30 anos garantiria uma renda constante de US$ 146 em cima do mesmo investimento de US$ 10.000. Esta quantia não se alteraria – com a inflação inexistente – mas não precisa aumentar para que o TIPS seja melhor do que os Treasuries de um ano.

Até agora tudo está indo bem. O investimento que oferece o maior rendimento real também fornece um lucro ainda maior. No entanto, se a inflação aumentar, o resultado será diferente. Se a inflação média for 6%, os títulos Treasury de um ano renderão inicialmente $600, enquanto os TIPS de 30 anos gerarão $146. A longo prazo, o rendimento com TIPS deve recuperar, pois o índice de inflação anual aumentará o valor principal da segurança, assim como os pagamentos em dinheiro, com base em seu rendimento real de 1,46%. Enquanto isso, os Treasuries de um ano permanecerão presos aos $600. No entanto, eles ainda têm uma vantagem considerável!

Vai gostar:   A psicologia investiga a motivação por trás da venda de pânico.

É grande demais para ser capturado ao longo dos próximos 30 anos. O gráfico seguinte exibe o abismo entre a estratégia de segurar contas de Tesouro de um ano com zero retorno real e a de possuir TIPS de 30 anos com um rendimento real de 1,46%. Se o número for positivo, isso significa que os Treasuries de um ano renderam mais dinheiro até aquele momento, ao passo que se for negativo, isso implica que TIPS de 30 anos são mais lucrativos.

A line chart showing the difference in cumulative yields between $10,000 invested in a rolling series of 1-year Treasury bills and in a 30-year TIPS, at its current price, under four different inflation assumptions.
Imagem: JonPauling/Flickr

Esse resultado é absolutamente surpreendente. Primeiramente, os rendimentos relativos de dois investimentos protegidos pela inflação podem variar grandemente de acordo com o nível de inflação. Quem poderia imaginar isso? Definitivamente não eu. Ainda mais, o investimento com o menor rendimento real oferece um rendimento significativamente maior durante um período de 30 anos em dois dos quatro casos. Mais inacreditável.

Levando em conta o valor presente, o investimento se torna mais atrativo.

O cálculo acima não leva em consideração dois fatores importantes. Primeiro, o valor do dinheiro no tempo. Uma renda recebida hoje vale mais do que a mesma renda recebida amanhã. Se a taxa de inflação for superior a 1,46%, a matemática favorece os títulos do Tesouro, que oferecem o maior rendimento no início. Outro fator a considerar é o reembolso do principal, que dá uma vantagem ao TIPS. A menos que a taxa de inflação seja zero, o TIPS valerá mais do que US$ 10.000 quando resgatado em 30 anos.

Como é de se esperar, o último fator é ainda mais significativo que o anterior. Avaliando as estratégias pela sua rentabilidade presente, TIPS aparece como a melhor opção, não importa a taxa de inflação. (Por exemplo, 30 anos na estratégia, com uma taxa de inflação anual de 6%, resultará em uma erosão de 83% no poder de compra do Tesouro em um ano.) Isso é compreensível, considerando que a estratégia TIPS possui uma vantagem significativa em termos de rendimento real. O resultado esperado foi restaurado.

Vai gostar:   Tática Investir: Um Manual Integrado para Investidores

Finalmente, concluímos que o tema em análise abrange várias partes.

Em termos de previsibilidade, o investimento de 30 anos no TIPs é inigualável. Ao longo de três décadas, os proprietários do TIPs recebem um fluxo contínuo de pagamentos que podem ser previstos com precisão. Além disso, com o TIPs, é possível construir uma escada de investimento que oferece uma segurança de pagamento que não pode ser obtida de outra forma.

De outra maneira de ver, os títulos de dívida pública a longo prazo têm características estranhas e inesperadas. Não só os preços de mercado às vezes desafiam as expectativas, como no desmoronamento de ano passado, mas quando eles competem com seus rivais mais próximos, títulos do Tesouro com prazos curtos, eles são afetados pelas taxas de inflação vigentes – embora não da maneira que seria esperada.