Bitcoin and judge gavel laying on flag of South Korea. Bitcoin legal situation in South Korea concept. 3D rendering

O Tribunal da Coreia do Sul declarou que o Bitcoin “não é considerado dinheiro” e que as criptomoedas não são sujeitas às regulamentações de juros.

A token intended to represent Bitcoin and a judge’s gavel against the background of the flag of South Korea.
Imagem: Chakkree_Chantakad/StockVault

Um tribunal da Coreia do Sul determinou que o Bitcoin não é considerado como dinheiro e que as leis de juros não se aplicam aos negócios relacionados a criptomoedas.

A Divisão Civil do High Court de Seul tomou uma decisão no caso envolvendo duas companhias que não podem ser nomeadas devido à lei.

O Tribunal julgou que seria “possível aplicar taxas de juros ao empréstimo de Bitcoin”, pois a criptomoeda não é considerada “dinheiro” e, por conseguinte, não é regulamentada por leis comerciais nacionais.

O tribunal ouviu que as duas companhias tinham assinado um acordo envolvendo Bitcoin em outubro de 2020.

A Empresa A foi descrita como um negócio de tecnologia que se dedica aos criptoativos.

Uma nova organização, a Companhia B, houve um acordo com A para tomar emprestado BTC 30 por um período de três meses.

A empresa B parece ter decidido pagar à empresa A BTC 1,5, igual a 5% do valor total, durante os dois primeiros meses, e BTC 0,75, igual a 2,5%, na última parcela.

Quando a empresa B não respondeu à transação de Bitcoin de maneira adequada, os problemas começaram a aparecer.

Neste momento, o tribunal foi informado de que a Empresa A “prolongou o empréstimo até abril de 2021” e “modificou a taxa de juros para BTC 0,246 por mês, o que significa uma taxa de juros anual de 10%”.

A Companhia B não honrou seu credor como estabelecido no acordo, portanto, a Empresa A entrou com uma ação na justiça.

O que o Tribunal da Coreia do Sul decidiu em relação ao Bitcoin é que não é considerado “dinheiro”? Por que isto é importante?

A corporação B declarou que a Companhia A infringiu as leis de Restrição de Interessess e de Empréstimos Comerciais, ao estabelecer taxas de juros acima do limite imposto por lei.

Vai gostar:   É complicado aplicar no mercado de capitais?

No entanto, um órgão jurídico menor negou o argumento da Companhia B, decidindo:

O propósito deste acordo é o uso de criptoativos, não de moeda. Desta forma, as normas de regulação de juros e as regulamentações de empréstimos não operam neste contexto.

A empresa rejeitou isso e apelou ao Tribunal Superior para um apelo.

O Tribunal de Justiça mais elevado ratificou a sentença inicial, decidindo que a Companhia B tem a obrigação de “ceder o Bitcoin à taxa de juro acordada no contrato”.

O magistrado responsável declarou: “Vamos avaliar o acusado de forma neutra”.

A tasa de intereses estatutarios sobre la deuda bajo la ley comercial sólo puede aplicarse cuando la ley sea infringida.

O juiz declarou, além disso, que a taxa de juro de 10% estabelecida pelos dois negócios “não seria considerada uma ofensa à lei”, devido ao fato de que o acordo foi feito usando BTC, ao invés de moeda fiduciária.

De acordo com a lei da Coreia do Sul, as partes têm a capacidade de recorrer dos julgamentos legais duas vezes, o que significa que a Companhia B ainda poderia optar por impugnar a decisão no Tribunal Supremo, o órgão judicial mais alto no país.

No princípio de agosto, um promotor iniciou um processo contra um dos fundadores da Terraform Labs, afirmando que a criptomoeda LUNC seria classificada como uma segurança.

Se a alegação obtiver êxito, as leis anteriores podem estabelecer que outras moedas sejam consideradas títulos.