A grande notícia para os consumidores será o aumento no uso de energia renovável, mas isso não será benéfico para os investidores.

Os britânicos comemoraram o fato de, no final de março, quase 69 por cento de toda a eletricidade ter sido gerada por fontes renováveis. Os defensores da mudança climática pediram que governo, investidores e a população aumentassem a sua aposta nessas fontes, pois a energia gerada a partir delas é mais acessível.

Os interessados em energia limpa, contudo, devem ser cautelosos quanto a possíveis mudanças na capacidade, o que pode influenciar a redução dos preços e afetar os seus retornos financeiros.

Os investidores podem ser excluídos como os benefícios de energia renovável aumentam.

O site da National Grid registra mensalmente que, em média, mais da metade da eletricidade vem de fontes de energia sem emissão de carbono, com o vento responsável por mais de 30%. As taxas máximas de carbono ainda são de 87%, embora não sejam as mais baixas. Esta estatística mostra a intermitência da produção de energia limpa, principalmente a do vento e do sol.

Quando o vento não sopra e o sol não ilumina, as turbinas a gás têm que ser ativadas, resultando em mais de um terço da energia elétrica produzida quase todos os meses. Contudo, construir mais moinhos de vento ou parques solares não vai controlar a direção do vento ou a quantidade de luz solar – isso só vai aumentar a competição quando as condições climáticas estiverem adequadas.

Aumento da competição provavelmente resultará em redução dos preços – uma boa notícia para os consumidores, mas não para os produtores e seus investidores.

Todavia, quanto menos turbinas a gás são utilizadas, menos possibilidades há de dividir esses custos fixos. Os geradores necessitarão de um valor maior para ligar as turbinas e terão de ser compensados somente para manter a usina em prontidão.

Vai gostar:   Investir em Inteligência Artificial (IA) é cada vez mais comum

Aumentando a eficiência das energias renováveis, a produção de energia diminuirá, mas não necessariamente os custos para o consumidor. Caso contrário, isso poderia resultar em escassez de energia que duraria dias ou semanas.

O armazenamento não tem muito para oferecer, pois, até que a tecnologia da bateria dê um salto, elas só são capazes de fornecer energia de reserva por poucas horas. No Reino Unido, há poucos lugares prontos para usinas hidrelétricas ou armazenamento bombeado, e as usinas nucleares não são capazes de ligar e desligar facilmente.

A longo prazo, a tecnologia da bateria melhorará e a geração de energia renovável se tornará ainda mais eficaz, mas o uso de ventos terrestres não é a solução. O fator de carga típico de ventos terrestres é de cerca de 25%, enquanto os projetos de vento marítimo mais recentes têm um índice de eficiência de aproximadamente 60%. O Mar do Norte se destaca como uma localização ideal, oferecendo ventos confiáveis, mares rasos e o potencial para vastas matrizes de turbinas. Embora desejável, não é possível equilibrar isso com locais no oeste da Escócia, no Mar Irlandês e fora de Cornwall, devido às condições geográficas.

O aumento na demanda de eletricidade servirá de base para novos investimentos, no entanto, o entusiasmo em relação à transição energética não chegou aos extremos. A infraestrutura para carregar veículos elétricos fora da região Sudeste é precária e os custos de manutenção são elevados. As bombas de calor são caras, inviáveis para a maioria dos proprietários e difíceis de instalar. Os lares necessitam de um nível de suporte financeiro que o governo não pode fornecer.

Utilizar a energia elétrica excedente para produzir hidrogênio por meio de eletrólise é uma ideia superficialmente atraente, mas o processo provavelmente será caro. Além disso, armazenar e transmitir grandes quantidades de hidrogênio com segurança seria uma tarefa complexa. Por outro lado, as usinas nucleares de pequena escala podem ser ligadas e desligadas com mais facilidade em comparação às usinas de grande porte, mas não tão ágilmente quanto às turbinas a gás.

Vai gostar:   A capacidade de expansão da empresa é considerada de suma relevância.

As ações líquidas zero têm um preço baixo, mas elas valem a pena?

A ótima notícia para os investidores em fontes de energia renováveis no Reino Unido é que os preços das ações caíram abaixo do valor dos ativos, tornando improvável que os fundos listados aumentem seu capital para novos investimentos. Assim, eles podem focar em concluir projetos em curso e buscar melhores retornos. Logo, a oferta nova deve diminuir.

A desventura é que os governantes querem aplicar diretamente em uma unidade que busca desesperadamente atingir seus objetivos de diminuir as emissões de carbono. A expectativa é que tal investimento seja lucrativo, mas a história da administração pública indica o oposto. A adição de nova capacidade perderá dinheiro para o contribuinte e reduzirá os ganhos para todos.

A ideia mais adequada seria direcionar a aplicação financeira para países que estejam abaixo da capacidade ideal de redução de carbono. Dessa maneira, a meta global de redução de emissões seria atingida. Contudo, é preciso ter em mente que, quando as condições para investimento são mais atrativas, existe a possibilidade de que o investimento seja tão intenso quanto no Reino Unido.

Assim, não se deve esperar que os valores das ações no campo das energias renováveis voltem aos níveis anteriores à grande previsão em relação ao valor dos ativos, ou que produzam rendimentos muito maiores que seu atual atrativo. O entusiasmo político e dos ativistas deve ser visto como um sinal de alerta.