A alta de Bitcoin a US$ 30.500 provoca um renascimento das criptomoedas.

A taxa de retomada do cripto foi sólida, com o Bitcoin se recusando a deslizar abaixo dos US$ 30.000, o que sugere um forte impulso dos compradores de luxo no mercado.

O mercado de criptomoedas experimentou um rápido aumento de apoio dos touros quando o Bitcoin se elevou de seus patamares estagnados. Passou a marca de US$ 30.500 e está se aproximando de US$ 31.000. Os traders podem entrar no mercado agora com ânimo de compra renascido.

O suporte para o Bitcoin tem sido consistente em torno dos US$ 30.000 por algum tempo, que é um avanço em relação aos padrões anteriores. Nos últimos meses, a BTC não conseguiu manter-se sobre US$ 30.000, mas tem conseguido superar essa marca periodicamente.

Outros tokens cripto também evidenciaram um acréscimo, com a Solana sendo um dos que mais lucraram nas últimas 24 horas. O seu valor subiu 8,9%. BTC, ETH, Cardano e BNB também obtiveram ganhos. Contrariamente, XRP, Dogecoin e Polkadot foram dos poucos que viram uma ligeira redução.

Especialistas analisaram as expectativas para BTC nos próximos dias. A grande maioria dos prognósticos sugeriu que a criptomoeda ultrapassaria a faixa de $32.000 a $33.000 em breve. Se isso acontecer, pode ser um excelente sinal para um novo impulso rumo aos $38.000 nos próximos meses.

Nos últimos dias, a capitalização do mercado de criptomoedas subiu para o impressionante valor de US$ 1,2 trilhões. Os investidores acompanharam os movimentos do Bitcoin, que está dominando o mercado.

Representação gráfica da relação de preços entre Bitcoin (BTC) e Dólar Americano (USD) a cada dia.

O preço do Bitcoin está atualmente em torno de US$ 30.600, em 29 de junho de 2023, com BTC/USD aumentando em mais de 1,1% nas últimas 24 horas. BTC/USD está negociando acima de sua média móvel de 20 dias de US$ 27.769,90, enquanto o volume de 24 horas da BTC subiu acima de US$ 12 bilhões. Ao longo do último ano, o Bitcoin teve um retorno de 85,01%.

Vai gostar:   A Apple obteve um faturamento de US$ 90 bilhões com a aquisição de ações para recompra.