Em junho de 2022, Jamie Dimon, CEO da JPMorgan, advertiu os investidores para se prepararem para um tempestade econômica desencadeada pela guerra na Ucrânia, a qual poderia levar ao aumento da inflação e a juros mais altos.

Em agosto, ele advertiu que algo ainda pior do que uma recessão estava a caminho. Em outubro, ele declarou que alguns fortes sinais de alerta provavelmente estavam levando os Estados Unidos e o mundo a uma recessão dentro de seis a nove meses.

No início de abril, ele declarou que as chances de uma recessão tinham aumentado devido à crise bancária, que ainda não havia chegado ao fim. O Dimon não estava sozinho com essa visão.

O FMI liderou a maioria dos economistas ao prever uma recessão, e a inteligência das bolsas de valores foi de que o mercado de urso piorava devido ao aumento dos juros e diminuição dos lucros empresariais.

No último mês de março, os estrategistas eram mais expressivos do que a qualquer outro momento desde 2008. A Economia e o mercado estrategista, Ed Yardeni, da Yardeni Research, descreveu como “uma pandemia de pessimismo”.

Ele nunca havia imaginado que a recessão nos EUA poderia ser superior a 40% e sua estimativa foi reduzida para 30% no começo de maio. Apontou que o Índice S&P 500 aumentou em mais de 15,6% desde o mínimo de outubro, impulsionado por melhorias nos resultados do primeiro trimestre.

Estes foram rebaixados por um ano em 3,3%, mas superaram as previsões em 7%. Se espera que a comparação anual seja de 9% até o final de 2023.

A perspectiva de atividades futuras é muito aliciante.

Para além disso, o mercado foi liderado pelas empresas de crescimento, com a capitalização das 8 “MegaCap8” (Amazon, Alphabet, Microsoft, Netflix, Intel, Nvidia, Tesla e Apple) subindo 36% até o momento no presente ano. Estas agora correspondem a 25% da composição do índice.

Vai gostar:   Um manual para aqueles que estão começando a investir em ações.

Estas empresas foram aos olhos dos ursos como sendo particularmente supervalorizadas. O motivo por trás da sua resistência aos ganhos tem uma explicação simples. Todas as empresas perceberam a ameaça da tormenta que se avizinhava e prepararam-se, reduzindo os custos e cortando as dívidas.

Como consequência, a diferença de retornos entre os títulos corporativos e os governamentais aumentou pouco e os valores das ações aumentaram. Agora, as corporações estão animadas pois as economias podem ter diminuído, mas não estão em declínio.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) elevou sua estimativa de expansão da economia mundial para 2,8% em 2023 e 3% em 2024. Está previsto que a economia dos Estados Unidos cresça em 1,6%, a da União Europeia em 0,8%, a do Japão em 1,3% e a do Reino Unido em 0,4%, embora, como observado por Liam Halligan no GB News, 25 das últimas 28 previsões do FMI para a economia britânica tenham sido muito baixas.

A expectativa de aumento foi aumentada pela redução nos preços de energia, particularmente o petróleo bruto caindo de mais de 120 dólares por barril no meio de 2022 para somente 73 dólares.

Isto, combinado com o declínio de 19,7% no Índice de Preços Alimentares da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, resultou na queda da inflação. A taxa dos Estados Unidos foi reduzida de 8,3% no último ano para menos de 5%, tornando possível que as taxas de juros norte-americanas cheguem a 5,25%.

A inflação na União Europeia permanece em 7,3%, mas o Banco Central Europeu acredita que este ano terá uma média de 5,3% e 2,9% no ano que vem. As taxas de juros, que estão agora em 3,25%, devem aumentar para 4% no segundo semestre. Os ganhos de títulos não refletem o aumento da inflação.

Vai gostar:   Seis Ações Perigosas para Investidores Iniciantes

Esta foi amplamente vista como um acompanhamento de uma recessão a caminho, (as recessões tradicionalmente diminuem os rendimentos). Contudo, os rendimentos não cresceram quando a situação econômica melhorou. Os rendimentos do tesouro americano estão 0,3% abaixo de seu ponto máximo no outono passado, que foi de cerca de 4%.

A produção na zona euro subiu acentuadamente em 3,3%, a despeito da inflação mais alta. Isto coloca o Reino Unido como uma excepção, com os indicadores de inflação continuamente decepcionantes e as expectativas de aumento das taxas de juros.

A economia tem apresentado resultados melhores do que se esperava a curto prazo, mas seus problemas estruturais a longo prazo ainda são desafiadores. O clima de desânimo persiste.

Os rendimentos dos títulos do Estado estão quase no ponto mais alto dos últimos meses de outubro, enquanto o Índice FTSE All-Share apenas aumentou 1,4% até agora neste ano, embora as companhias britânicas tenham a maior parte de seus negócios no exterior.

Os investidores devem desviar o olhar dos problemas do Reino Unido, pois não são mais relevantes para os mercados globais. O momento ótimo do mercado britânico no último ano, principalmente no último trimestre, pode não ser mais do que uma aberração.

Este ano, o Japão tem liderado a tendência de alta de 18%, mas também há um aumento significativo nos Estados Unidos (8%) e na Europa (10%). De acordo com Yardeni, os estoques estão aumentando a despeito da inquietação.

Os vícios ainda são bastante comuns, mas o momento atual é ideal para os investidores: os perigos estão diminuindo e poucos os notaram.