O Portfólio 60/40 está ultrapassado, porém, de novo?

Neste episódio do The Long View, Kathy Jones, Estrategista-Chefe de Renda Fixa da Charles Schwab, aborda o potencial de uma recessão, as taxas de juros, títulos e muito mais.

Aqui estão alguns excertos da conversa de Jones com Christine Benz e Jeff Ptak da Morningstar.

Em 60/40 portfólios sendo eliminados.

Benz: Diversos debates têm surgido se o portfólio 60/40 já não é mais vantajoso, o que dá a entender que os títulos não vão mais oferecer a segurança que eles ofereciam no passado. Eles já não ofereceram o mesmo nível de segurança no ano anterior, é óbvio. Há alguma prova econômica para a assertiva de que o portfólio 60/40 ou qualquer outro portfólio simples não será rentável no futuro?

Jones: Não, eu não acho que seja assim. Quando as pessoas dizem que elas estão realmente inquietas com os 40, não com os 60, o que elas estão preocupadas é que os títulos do ano passado não trouxeram diversificação de ações. Ambos caíram juntos. Porém, acho que o ambiente em que estamos agora é totalmente diferente do ano passado, e acho que o ano passado foi único em relação ao ponto de partida. Tivemos muitos anos de taxas de juros zero/negativas em todo o mundo, rendimentos muito, muito baixos e, em seguida, uma subida muito, muito rápida nessas taxas. Desta forma, naturalmente não

Começamos agora com uma perspectiva distinta, pois os rendimentos das obrigações são mais elevados, o que dá aos investidores mais proteção contra a volatilidade devido ao aumento na receita. Habitualmente, a variação de preço não é tão importante como o fluxo de rendas. Agora, temos a oportunidade de obter retornos atraentes, e eu acredito que, dessa nova perspectiva, o investimento 60/40 pode ser um caminho sensato. Do ponto de vista econômico, os títulos ainda fornecem preservação de capital, segurança sobre quando o capital será resgatado e os pagamentos de juros, e agora isso vem acompanhado de um melhor retorno.

Vai gostar:   Os investimentos mais seguros no 401K durante uma recessão econômica.

Será que os títulos de dívida voltarão ao normal?

Ptak: Já foi comprovado que os títulos não tiveram grandes revés devido a seus ganhos de renda mais elevados que compensam as altas taxas. Devemos considerar o nominal versus o real, mas por enquanto nos concentraremos no nominal. Queríamos descobrir se os títulos oferecem alguma proteção depois de um evento como o que passamos no ano passado?

Jones afirma que é extremamente incomum que a rentabilidade total de um portfólio de ativos de primeira linha seja negativa. Não importa a época, pois é a renda que fornece a maior parte dos ganhos obtidos com títulos. Olhando para o passado, a única vez que os retornos totais (compostos de renda mais mudanças de preço) foram negativos foi devido à renda. Mesmo nos anos 70 e 80, quando as taxas de juros estavam aumentando, a rentabilidade total aumentava, pois a renda gerada compensava o declínio dos preços. Portanto, é anormal que os títulos estejam sofrendo tanto agora e isso deve estar relacionado ao que está acontecendo.

Fundos de Títulos versus Investimentos em Títulos Individuais: Qual é a melhor opção para os investidores particulares?

Benz: Você acabou de mencionar, Kathy, que os títulos são atraentes para os investidores, pois eles podem atender às suas necessidades de despesas. Parece que os investidores estão muito entusiasmados com os títulos individuais em relação aos fundos de títulos, devido à experiência que os proprietários de fundos de títulos tiveram no ano passado. Então você acha que é uma boa ideia para os investidores individuais montarem carteiras diversificadas de títulos individuais? Como você aconselharia as pessoas a se aproximarem disso?

Vai gostar:   Como aplicar no Web 3.0? A Web 3.0 é a próxima geração da internet, que promete mudar a forma como nos relacionamos com a rede

Jones afirmou que é agnóstico em relação às maneiras como as pessoas investem em títulos, afirmando que existem vários métodos que podem funcionar para diferentes indivíduos. Ele comentou que a vantagem de possuir títulos individuais é ter uma base de custo definida, sabendo quando será recebido o principal e os pagamentos de juros. Além disso, costuma-se notar que os investidores que detêm títulos individuais lidam melhor com as quedas e altos do mercado do que aqueles que investem em fundos, pois os investidores podem ficar muito nervosos ao ver o valor líquido dos ativos diminuindo e acabam vendendo, geralmente no fundo do mercado.

A desvantagem de montar um portfólio de títulos individuais é que os investidores precisam de uma quantia substancial de capital para garantir que se obtenha diversificação adequada. Isso pode ser difícil para investidores de menor porte. O segundo problema é que é necessário fazer um trabalho de análise de crédito para se assegurar de que os títulos selecionados não estão enfrentando problemas, possuem algum risco de inadimplência e se os títulos são convocáveis. Esta situação traz consigo uma série de complicações que não existem quando se compra, por exemplo, uma ação.

Muitas pessoas veem isto como um trabalho árduo, exigindo mais do que suas habilidades ou interesse em adquirir conhecimentos. Possuir um fundo mútuo ou alguns ETFs pode ser sensato, e certamente, alguma combinação dos dois pode atender aos seus objetivos. Nós oferecemos aos nossos investidores uma escada de ligação fácil às carteiras principais. Em seguida, talvez seja aconselhável acrescentar alguns fundos mútuos ou ETFs ao redor disso, para que eles tenham acesso a outras partes do mercado, onde eles não se sintam confortáveis em investir a um preço razoável e obter essa gestão ativa ou aquela gestão profissional em suas carteiras.

Vai gostar:   Você é capaz de aplicar no setor de ações antes de atingir a idade de dezoito anos?